Sobre o EPC

O EPC foi desenvolvido nos Estados Unidos há cerca de cinco anos em uma iniciativa liderada pela GS1 – organização sem fins lucrativos que também administra a numeração do código de barras no mundo. Em face dos resultados iniciais animadores, o padrão foi adotado por uma grande rede varejista, que passou a exigi-lo de seus principais fornecedores.

No Brasil, os testes com o EPC começaram há três anos, com o estudo da tecnologia e o envolvimento de empresas líderes de mercado. A responsabilidade dos trabalhos ficou a cargo da GS1 Brasil, que criou o Grupo de Trabalho EPC. Periodicamente, o grupo promove seminários e encontros para estudo e discussão da nova tecnologia.

Com o EPC, cada item tem o seu próprio número individual codificado em uma etiqueta de radiofreqüência (RFID). Os leitores fazem a captura dessa identificação e são capazes de indicar onde o item está e em quais condições, comunicando-se com bancos de dados remotos pela Internet, obedecendo naturalmente a regras de segurança que protegem esses dados. Com isso, consegue-se a identificação automática e a visibilidade total dos produtos na cadeia de suprimentos.

            A utilização do novo sistema oferece uma série de benefícios, como a leitura de itens sem a proximidade do leitor, permitindo, por exemplo, a contagem instantânea de estoque; a melhoria das práticas de reabastecimento com eliminação de itens faltantes e/ou com validade vencida; identificação da localização dos itens em processos de recall; a verificação imediata dos produtos nas prateleiras ou no “carrinho” do varejo.

Levantamento realizado recentemente pela Wide Research e pelo site Using RFID.com identificou que a adoção do RFID dobrou nos últimos 18 meses. De acordo com a pesquisa, as etiquetas em paletes (suporte para empilhadeiras) e embalagens representam a maior fatia do consumo de EPC. Os paletes e cases respondem por 10,5% das etiquetas RFID utilizadas hoje. Produtos em lojas de varejo, cartões de crédito e débito, automóveis e ingressos utilizam 9,5%, 7,5%, 5,5% e 2,5% das etiquetas com tecnologia de radiofreqüência, respectivamente.

Na América Latina, o Brasil é o país mais bem colocado entre os associados à EPCglobal, com 18 empresas participantes dos testes . São elas: Grupo Pão de Açúcar, Seal Technologies, RR Etiquetas, Torres Etiquetas, Acura Technologies, Genoa, JM Etiquetas e Sistemas, Provectus Tecnologia, Edata, Intermec Inc, Symbol Technologies, Ideiatech, Flamboiã, HP Brasil, Interprint, NEC, Pimaco e Flextronics. Na seqüência vêm Argentina e Colômbia. No mundo, o País ocupa a 11º posição. A previsão é que até o final deste ano 50 empresas façam parte do grupo brasileiro de testes. 

“A adoção do EPC representa uma mudança positiva no conceito de identificação e troca de informações dentro da cadeia de suprimentos. Além de agregar rapidez às transações comerciais e armazenar uma quantidade maior de dados do produto, a tecnologia permite, ainda, a total rastreabilidade das operações”, destaca Roberto Matsubayashi, gerente de Soluções de Negócios da GS1 Brasil.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: